O que aprendi na montanha sobre alcançar objetivos

By André Gibran

mar 20

Recentemente participei de uma experiência para homens cristãos chamada Legendários.

Basicamente, a experiência consiste em subir uma montanha.

A caminhada é longa, passamos por trechos barrentos, subidas íngremes, dormimos em barracas…

Logo no primeiro dia eu já percebi como meu condicionamento físico atual não me levaria facilmente para o topo da montanha. O cansaço veio com força nas primeiras horas de caminhada.

Se você é homem e acredita em Deus, sugiro que tenha essa experiência, que acaba sendo mais espiritual do que física. Afirmo que pra mim só foi possível conquistar a montanha por conta das minhas orações e das orações dos homens do meu grupo, que também intercediam por mim e por todos pra que completássemos o percurso.

Aprendi isso na prática…

Mas falando da experiência meramente física, aprendi algo na prática que antes eu só sabia na teoria.

No segundo dia de caminhada, mais ou menos depois da hora do almoço, eu estava esgotado. E toda vez que eu teimava em olhar pra frente, o desânimo vinha forte, e junto com ele uma vontade grande de desistir e parar.

Foi então que, cansado como estava, passei a olhar para o chão, para os meus pés. Fiquei um tempo assim, olhando para os pés enquanto caminhava, e percebi que o caminho estava um pouco mais fácil.

Então passei a olhar apenas alguns metros adiante, só pra ver o que me aguardava um pouco mais à frente. E foi esse um dos fatores que me fez completar o caminho.

Explico: quando eu olhava muito à frente, tudo parecia muito longe, muito distante, e a fé de que eu conseguiria chegar até o fim se enfraquecia.

Mas ao passar a olhar apenas alguns metros adiante, eu me concentrava no que precisava vencer naquele trecho: um buraco à direita, um pequeno galho de árvore caído, um cuidado adicional que teria que tomar pra não escorregar…

Depois me toquei de que, na prática, eu estava na verdade vivendo somente a tarefa que estava diante de mim, sem ansiedade em relação ao que estava por vir.

A diferença estava no olhar…

Eu parei de olhar o objetivo a longo prazo e passei a me concentrar no processo. E isso fez toda a diferença.

Na vida também é assim. A gente traça um objetivo, esboça um plano pra chegar lá, mas é comum que desanimemos no meio do caminho quando pensamos em quanto ainda temos que percorrer.

Dali pra frente eu decidi focar muito mais no processo atual, nas tarefas a minha frente, e só olhar pra meta final de vez em quando, só pra ter certeza de que ainda estou indo no caminho certo.

Follow

About the Author

Em 2013 eu larguei meu cargo público no Tribunal de Justiça de SP pra viver de marketing digital (uma baita galera me criticou por isso...). Essa acabou sendo a melhor decisão de minha vida! Desde então já ajudei milhares de pessoas a usarem o poder do Copywriting pra construir vida nova fazendo algo que amam!

  • Rosangela Moreira da Silva de Andrade disse:

    Não tenha medo , não se assuste , não vacile , não recue .
    Há envolta de nós uma força, que deseja nos fazer desistir,
    como disse nosso grande mestre.
    A caminha e longa, se ficarmos olhando nos perturbaremos, nos temos que olhar o que esta nos amparando , qual o nosso foco, da medo claro , coração acelera muito , tudo que e novo assusta nossa e como.
    por alguns desistem Tipo Eu.
    Estou desempregada, com mãe doente , um casamento não sei dizer.
    Digamos uma montanha, estou morrendo de medo de subir, mas preciso. não para os outros mas pra mim , e Dizer obrigado Deus Conseguimos algo na vida.

  • >